quinta-feira, 26 de julho de 2018

Curiosidade - Paraísos fluviais a não perder em Portugal - 6


A norte do país fica um pequeno paraíso ibérico tão bem conhecido pelos portugueses, o Parque Nacional da Peneda-Gerês. Montalegre é um dos munícipios abrangidos por esta beleza natural e é onde se situam as 7 lagoas. O caminho não é de fácil acesso. É necessário calçado confortável e um pouco de cuidado, mas as límpidas águas e o suave barulho da cascata compensam.

terça-feira, 24 de julho de 2018

Curiosidade - Paraísos fluviais a não perder em Portugal - 5


Um pouco mais abaixo, perto de São Pedro do Sul aconselhamos a fugir às tradicionais termas. O Poço Azul tem águas cristalinas da ribeira da Landeira e rochas graníticas. Ouve-se uma pequena queda de água, que dá origem à piscina natural onde pode tomar banho. Apesar de calmo, é necessário ter cuidado, pois é uma praia fluvial selvagem.

domingo, 22 de julho de 2018

Curiosidade - Paraísos fluviais a não perder em Portugal - 4


Esta praia fluvial com águas límpidas situa-se na famosa Serra da Estrela.  Além da beleza envolvente, esta praia foi certificada com alta qualidade com o galardão de ouro, uma menção atribuída pela Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza. Esteve também entre os finalistas das “7 Maravilhas – Praias de Portugal”.

sexta-feira, 20 de julho de 2018

Curiosidade - Paraísos fluviais a não perder em Portugal - 3


Muito perto da histórica e conhecida aldeia do Piódão, fica esta bela praia fluvial ainda rodeada por xisto e verdura. As águas são muito límpidas e convidativas para aqueles que, no verão, fogem ao calor do centro do país. O acessos à praia faz-se através de escadas em xisto e não é aconselhado para pessoas com pouca mobilidade.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Curiosidade - Paraísos fluviais a não perder em Portugal - 2


No meio do Ribatejo, em Ourém, está localizada a praia fluvial do Agroal. Esta bonita praia é banhada pelas águas frias do Rio Nabão (afluente do Zêzere). Foi construída uma piscina que permite relaxar e nadar na nascente do Agroal. Reza a lenda que é uma água com propriedades terapêuticas.

segunda-feira, 16 de julho de 2018

Curiosidade - Paraísos fluviais a não perder em Portugal - 1


A praia fluvial de Monsaraz é a primeira praia do Grande Lago Alqueva, um dos maiores lagos artificiais da Europa, da famosa barragem do Alqueva. É das poucas praias fluviais a sul do país com bandeira azul. O Centro Náutico de Monsaraz oferece excelentes infraestruturas, mas a praia tem também um grande areal, algumas sombras e acesso à água para pessoas com pouca mobilidade. É de fácil acesso e tem um bom estacionamento.

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Notícia - Vai viajar? Tenha atenção, há novas regras para as reservas


Há novas regras para as reservas de viagens, estabelecidas pela nova e harmonizada Diretiva europeia que entrou em vigor no domingo. As regras podem beneficiar os clientes na resposta a problemas que não estavam inicialmente previstos.

Por exemplo, encontrar baratas no quarto, ter vista para um prédio e não para uma piscina ou então ter um bilhete de combinação de comboio e avião e perder a ligação são alguns dos casos em que os clientes podem beneficiar da nova diretiva.

De acordo com a rede de Centros Europeus do Consumidor (ECC-Net), há alguns aspetos que deve ter em consideração a partir de agora nas viagens organizadas, que são as que combinam, pelo menos, dois tipos diferentes de serviços de viagem para efeitos da mesma viagem ou férias.

Pode apresentar uma reclamação diretamente junto do organizador da viagem;

-Melhor proteção quando contrata serviços de viagem conexos. Por exemplo: Efetua com a agência de viagens a reserva do voo e do hotel, separadamente, e recebe uma fatura por cada serviço contratado. Ao pagar diretamente à agência de viagens está protegido contra a insolvência desta, mas não está protegido contra a insolvência da companhia aérea ou do hotel.

-A agência está autorizada a aumentar o preço até 8% nos 20 dias que antecedem o início da viagem organizada. Mas apenas o pode fazer se estiver mencionado no contrato e se resultar da alteração do preço dos combustíveis, dos impostos ou taxas que incidam sobre os serviços de viagem incluídos ou das taxas de câmbio. Por outro lado, se esses custos diminuírem, pode solicitar a correspondente redução do preço.

-A diretiva sobre as viagens organizadas já não abrange casas de férias e apartamentos, que são reservados diretamente através da agência de viagens sem outro serviço associado. A lei do arrendamento é agora a lei aplicável.

-Em caso de deficiências na execução do serviço de viagem, deve denunciar imediatamente a falta de conformidade durante a execução da viagem. Se não contactar o organizador no local ou se este não tiver resolvido o problema, o prazo máximo para apresentar reclamação expira ao fim de dois anos.

https://www.msn.com/pt-pt/viagens/noticias/vai-viajar-tenha-aten%C3%A7%C3%A3o-h%C3%A1-novas-regras-para-as-reservas/ar-AAzsyV6

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Notícia - Porto com 17 novos hotéis


O investimento no turismo não esmorece. O Porto tem atualmente em carteira 17 novos projetos de hotéis.

As zonas histórica e central da cidade atraíram 15 intenções de investimento, que estão neste momento em processo de licenciamento na Autarquia, revelou o Confidencial Imobiliário. Para a freguesia do Bonfim, estão previstos dois novos hotéis.

O JN/Dinheiro Vivo sabe que o Pestana, maior grupo hoteleiro do país, tem agendada a abertura de três novos hotéis no Porto, até ao final do próximo ano. O primeiro a abrir será no conhecido edifício Casa Navarro, na Baixa, adquirido pela família David Rosas. Esta unidade de 46 quartos, com abertura prevista para este ano, ficará sob gestão do grupo. Assente neste modelo de negócio, em que o investimento fica a cargo dos proprietários e a gestão nas mãos do grupo hoteleiro, o Pestana abrirá, em 2019, um hotel na Rua das Flores, com 87 quartos.

O grupo português tem previsto um investimento de 20 milhões de euros na construção do Douro Hotel, no Freixo, próximo da pousada, que está a seu cargo. Este projeto, que contempla 165 quartos, deverá estar concluído em 2019. Ainda em março, abriu o Pestana Porto - A Brasileira. O edifício e o investimento, da ordem dos 12 milhões, foi da responsabilidade do proprietário, o antigo selecionador de futebol António Oliveira, ficando a gestão da unidade a cargo do Pestana.

O Axis Hotéis prepara também para breve a entrada da sua marca no Porto. Segundo o administrador Rui Barbosa da Costa, o grupo português, que já explora seis hotéis, quer uma unidade na cidade com "uma escala mínima de 100 quartos".

Já o grupo espanhol Catalonia escolheu o Porto para expandir a sua atividade ao país. Prepara-se para investir 14 milhões numa unidade de quatro estrelas, na Praça da Batalha. O grupo comprou cinco edifícios de interesse histórico para recuperar até 2020.

https://www.jn.pt/local/noticias/porto/porto/interior/porto-com-17-novos-hoteis-9276828.html

Notícia - Viagens turísticas dos residentes em Portugal aumentam 5% para 21,2 milhões em 2017


As deslocações turísticas dos residentes em Portugal aumentaram 5%, para 21,2 milhões, em 2017 face a 2016, quase 90% das quais para destinos domésticos e sobretudo com a motivação de ‘lazer, recreio ou férias’, divulgou esta quarta-feira o INE. Segundo as estatísticas relativas à “Procura Turística dos Residentes” do Instituto Nacional de Estatística (INE), estes dados revelam um abrandamento face a 2016 e 2015, já que nestes anos as deslocações turísticas dos residentes registaram acréscimos de 5,4% e 7,0%, respetivamente.

Do total de 21,2 milhões de viagens realizadas no ano passado, 9,6 milhões tiveram como objetivo ‘lazer, recreio ou férias’ (45,2% do total, +1,4 pontos percentuais [p.p.] do que em 2016), seguindo-se a ‘visita a familiares ou amigos’, com 9,3 milhões (44,0%, -0,1 p.p.). Em 2017 as viagens para o estrangeiro representaram 10,4% do total (+0,7 p.p. face a 2016), tendo o ‘lazer, recreio ou férias’ justificado 57,4% (+2,6 p.p.) destas deslocações, enquanto nas viagens domésticas 46,6% (+0,1 p.p.) deveram-se a ‘visita a familiares ou amigos’.

No ano passado, a proporção de viagens com marcação antecipada aumentou 1,2 p.p. para 30,2%, com maior expressão nas viagens para o estrangeiro (+1,4 p.p.; 90,0%), sendo que a utilização de Internet ocorreu em 17,4% das viagens em 2017 (15,8% em 2016). Em 2017 as dormidas em ‘alojamento particular gratuito’ equivaleram a 66,9% do total (+1,1 p.p.), tendo os ‘hotéis e similares’ reunido 18,9% das dormidas (-1,8 p.p.), e cada viagem teve uma duração média de 5,77 noites (5,69 em 2016).

Considerando apenas o quarto trimestre de 2017, foram 4,75 milhões as deslocações turísticas efetuadas pelos residentes em Portugal, um aumento de 7,4% face ao trimestre homólogo de 2016 e de 1,1% relativamente ao terceiro trimestre. Das viagens realizadas de outubro a dezembro, apenas 9,9% (469,9 mil) foram para o estrangeiro, mas estas deslocações cresceram acima das viagens com destinos nacionais.

As viagens para “visita a familiares ou amigos” (2,6 milhões, 54,6% do total) perderam alguma representatividade (-4,8 p.p.), reforçando-se o peso relativo das viagens por motivos de “lazer, recreio ou férias” (+5,0 p.p.), que originaram 1,6 milhões de viagens (33,2% do total). Já as deslocações por motivos “profissionais ou de negócios” (405,1 mil) pesaram 8,5% no total (+0,3 p.p.). No período, as dormidas em “hotéis e similares”, com uma quota de 15,5%, registaram um aumento de importância relativa de 1,1 p.p.

No 4.º trimestre 2017, considerando os destinos no estrangeiro, ‘lazer, recreio ou férias’ foi a motivação de 44,3% das viagens, com ganho de representatividade de 2,9 p.p., por oposição a diminuições nos pesos das viagens para ‘visita a familiares ou amigos’ e por motivos ‘profissionais e de negócios’ (-2,7 p.p. e -1,0 p.p., respetivamente).

Nas viagens domésticas, embora a ‘visita a familiares ou amigos’ continue a ser a principal motivação (56,8%), teve menor expressão (-4,8 p.p.), por contrapartida do aumento de 5,1 p.p. na proporção destas viagens por motivos de ‘lazer, recreio ou férias’ (32,0%).

No último trimestre de 2017, a proporção de viagens com marcação prévia de serviços fixou-se em 25,5% (+0,7 p.p.) e a Internet foi utilizada na organização de 15,4% das viagens (+1,0 p.p.).

De outubro a dezembro, o ‘alojamento particular gratuito agregou 79,8% das dormidas totais, enquanto o ‘alojamento particular pago’ foi opção em 2,5% das dormidas, observando-se um aumento da importância relativa dos ‘hotéis e similares’, que proporcionaram alojamento a 15,5% do total de dormidas (+1,1 p.p.). Os restantes meios de alojamento registaram ligeiras perdas de expressão.

No último trimestre do ano passado, 18,1% dos residentes realizou pelo menos uma deslocação turística, mais 0,8 p.p. face a idêntico período de 2016, com o “contributo positivo” do mês de dezembro (+2,0 p.p.; 16,2% de turistas) a compensar as “ligeiras diminuições” (-0,1 p.p.) nos meses de outubro (8,1% de turistas) e novembro (7,1%).

A duração média das viagens aumentou no quarto trimestre, com cada turista residente a realizar, em média, 4,54 dormidas nas viagens turísticas (+3,7%), destacando-se o mês de dezembro com as durações médias mais elevadas (5,01 noites, +7,4%).

https://observador.pt/2018/05/02/viagens-turisticas-dos-residentes-em-portugal-aumentam-5-para-212-milhoes-em-2017/

Notícia - Portuguese Trails: plataforma dedicada à oferta nacional de Cycling e Walking


O Turismo de Portugal disponibiliza​ a plataforma www.portuguesetrails.com, exclusivamente dedicada à oferta nacional de Cycling e Walking, com o objetivo de posicionar o país como um destino internacional de excelência neste género de experiências turísticas.

Disponível em cinco idiomas, esta plataforma é uma das ações do projeto Portuguese Trails que o Turismo de Portugal está a desenvolver em parceria com as sete regiões turísticas do país e com as comunidades intermunicipais, associações e empresas turísticas, numa atuação concertada entre entidades públicas e privadas.


A presença dos destinos regionais e das empresas portuguesas em feiras internacionais, a organização de visitas educacionais e de jornalistas e ações de promoção nas redes sociais, são outras ferramentas da comunicação internacional do Portuguese Trails para promover a oferta consolidada e diferenciadora do destino Portugal para atividades de bicicleta e a pé, ao longo de todo o ano.

O projeto Portuguese Trails pretende captar novos segmentos de procura que registam um potencial de crescimento sustentável e fomentar o aumento de dormidas e receitas em todas as regiões, tanto no litoral como no interior do país, atuando para isso ao nível da valorização do território, estruturação de produto, promoção e comercialização.

http://business.turismodeportugal.pt/pt/Not%C3%ADcias/Paginas/default.aspx